Entre Histórias

Nevermore

Há exatos 168 anos, Edgar Allan Poe nos deixava, em circunstâncias tão misteriosas quanto sua obra. Fora encontrado vagando pelas ruas de Baltimore, em roupas que não eram suas e em estado de confusão mental. Internado, faleceu no dia 7 de outubro de 1849, em decorrência de uma congestão cerebral, embora a causa real de sua morte jamais tenha sido revelada. Sua última frase teria sido “Lord, please help my poor soul”.

Considerado o fundador dos contos de terror e da ficção policial, Poe, apesar de ter morrido na miséria e sem reconhecimento, é hoje considerado uma dos grandes nomes da literatura e aclamado pela crítica.

Sendo ele um dos meus autores favoritos, decide reunir neste post algumas curiosidades sobre sua vida e obra, no intuito de lembrar e homenagear o aniversário de morte do grande mestre do terror.
 

Poe teve uma carreira no exército

Na época do lançamento do seu primeiro livro, Poe era soldado do Exército norte-americano. Ele se alistou no dia 27 de maio de 1827.

 

Seus colegas de faculdade o ajudaram após seu pai o deserdar

Seu terceiro livro (“Poemas”) foi financiado por seus colegas da West Point. Com a doação individual de 75 centavos cada, eles conseguiram juntar 170 dólares e ajudaram Poe a imprimir o livro.

 

Após a morte de sua mãe Poe foi adotado pela família Allan

de onde vem seu primeiro sobrenome. O que muitos não sabem é que Poe tinha uma irmã mais nova chamada Rosalie, que não foi adotada junto com ele pelos Allans.

 

O poema The Raven é seu maior sucesso

e já foi traduzido por diversos escritores importantes, entre eles Baudelaire, Mallarmé, Machado de Assis e Fernando Pessoa.

 

E fez com que Poe fosse “perseguido” pelas ruas

Há histórias contando que crianças o seguiam , fazendo sons de pássaros e balançando os braços como se voassem. Poe então virava-se repentinamente e dizia “Nevermore”

 

Poe já foi suspeito de um crime

O conto O Mistério de Marie Roget foi inspirado em um crime real, ocorrido em New York em 1841. Poe chegou a ser suspeito do crime, pois este ainda não havia sido resolvido quando o conto foi publicado e o escritor demonstrava saber muitos detalhes do ocorrido.

 

O famoso bigode não o acompanhou durante toda a vida

Na verdade, esteve ausente em toda a sua juventude tendo aparecido apenas poucos anos antes de sua morte. Lembrando que Poe morreu aos 40 anos.

 

 

Poe tinha medo do escuro!

Por mais estranho que pareça, o mestre do terror certa vez confessou a um amigo que acreditava que os demônios se aproveitavam da noite para enganar os imprudentes.

 

No ano de sua morte, Poe começara a escrever uma obra com o título não-oficial de The Lighthouse

A obra  foi finalizada por diversos escritores admiradores de Poe, entre eles o autor de Psicose, Robert Bloch, que finalizou o conto e o publicou em Setembro de 1977, na edição 137 da revista literária Famous Monsters of Filmland, com o título de “Horror in the Lighthouse”.

 

Poe e sua obra influenciaram diversos escritores

H.P. Lovecraft, Robert Bloch, Vladmir Nabokov, Stephen King. Lovecraft foi tão influenciado por Poe que utilizou o ruído do “Tekeli-li! Tekeli-li!” (que aparece no final de seu único romance The Narrative of Arthur Gordon Pym of Nantucket) em Nas Montanhas da Loucura. Outro fato notável é que Nabokov nomeou sua personagem central de Lolita Annabel Leigh em homenagem à Annabel Lee, de Poe.
 

Poe tentou suicídio

um ano antes de sua morte, ingerindo uma grande quantidade de láudano.
 

Sua gatinha de estimação, Catterina, o acompanhou na vida e na morte

Existem fontes que dizem que Catterina foi descoberta morta logo após o falecimento de Poe e outras que dizem que a morte da gatinha deu-se duas semanas depois da de seu dono.
 

APENAS SETE PESSOAS compareceram ao SEU FUNERAL 

Quando morreu, Poe foi enterrado às pressas por seus primos, em um caixão simples e sem sequer uma lápide, aos fundos do cemitério de Westminster Hall, em Baltimore. Em 1875 foi movido para um lugar de honra próximo aos portões do cemitério, dando lugar à um acontecimento sinistro: seu caixão quebrou revelando seus restos mortais. Histórias dão conta de que os presentes recolheram pedaços da madeira para si.
Em 2009, recebeu finalmente um funeral digno, repleto de pessoas de todo o mundo


 

Ele tinha um admirador peculiar

Desde 1949, um visitante misterioso deixava 3 rosas vermelhas e meia garrafa de conhaque no túmulo do escritor, na noite de seu aniversário. O estranho era conhecido apenas como “Poe Toaster” (“aquele que brinda a Poe”). Desde 2009 ele não é visto pelos arredores, o que indica que a tradição de 60 anos se encerrou.
 

Poe continuou mantendo contato

Em 1860, a médium Lizzie Doten publicou poesias que, segundo ela, foram ditadas pelo espírito de Edgar Allan Poe. Sua ex-noiva, Sarah Helen Whitman, contratou uma médium para morar com ela porque acreditava que o espírito do autor estava tentando se comunicar.

Contos Fantásticos • RESENHA

A Estranha Máquina Extraviada • RESENHA

Não Conte a Ninguém • RESENHA

COMENTE PELO FACEBOOK

COMENTE PELO BLOG

4 Comentaram

  1. Rubyane

    11/10/2017 às 00:58

    Do autor eu só li O Fato Preto mas não dá para negar que a história envolvendo o autor é muito interessante e curiosa.
    Gostei de saber dessas curiosidades!

    1. Talita Carbone

      03/11/2017 às 17:17

      Fico feliz que tenha gostado do post Rubyane!

      Obrigada pela visita e espero que volte mais vezes!

      Beijos

  2. Renê Oliveira

    08/10/2017 às 19:47

    Excelente postagem!

    Gostei muito do site.

    Parabéns.